carta
  • hpb Hospital de Praia Brava
  • cmm Centro Médico de Mambucaba
  • amir Ambulatório Médico de Itaorna
  • cmri Centro Médico das Radiações Ionizantes
  • cira Centro de Informações sobre Radioepidemiologia
  • cmpm Centro Médico do Parque Mambucaba
example Banner

Notícias

voltar a notícias

Profissionais da FEAM treinam instituições das Forças Armadas no atendimento a radioacidentados

04 de Outubro de 2012/FEAM

A equipe da Fundação Eletronuclear de Assistência Médica participou na semana passada, dias 25 e 26, como instrutora, do primeiro curso de Resposta da Saúde em Emergências Nucleares e Radiológicas, promovido pelo Instituto de Medicina Aeroespacial da Força Aérea Brasileira. O evento que aconteceu no Campo dos Afonsos teve como objetivo iniciar a capacitação de instrutores e respondedores da Aeronáutica, que terão como atribuição capacitar profissionais de saúde das forças armadas para atendimento a acidentes que envolvam material radioativo.

Além da FEAM também o Instituto de Medicina Aeroespacial (IMAE), o Centro Tecnológico do Exército (CTex) e a Companhia de Defesa Biológica, Química e Nuclear (CiaDBQN), também do Exército, participaram do curso como instrutores. Nos dois dias de atividades falou-se sobre radiações ionizantes, monitoração, utilização de equipamentos de proteção individual e descontaminação de campo, e ainda, efeitos biológicos da radiação, radiopatologia, preparo de ambientes, ambulâncias e aeronaves para o atendimento e transporte a radioacidentados.

A Diretora-superintendente da FEAM, Dra. Teresa Leite, foi quem coordenou a equipe de três médicos, dois enfermeiros e dois técnicos de enfermagem que ajudaram a ministrar o curso. Segundo ela, o convite feito pelo Instituto de Medicina Aeroespacial demonstra mais uma vez que a Fundação é uma das mais importantes do país no que diz respeito à formação de profissionais de saúde para atendimento a radioacidentados. “Tanto o Instituto de Medicina Aeroespacial como o CTex e a CiaDBQN são corporações que a todo momento preparam e são preparados para lidar com grandes catástrofes, naturais ou não, dentro do Brasil ou fora dele, e o convite para treinar esses profissionais é um reconhecimento pleno da nossa capacidade de atuação neste setor”, explicou a diretora.