carta
  • hpb Hospital de Praia Brava
  • cmm Centro Médico de Mambucaba
  • amir Ambulatório Médico de Itaorna
  • cmri Centro Médico das Radiações Ionizantes
  • cira Centro de Informações sobre Radioepidemiologia
  • cmpm Centro Médico do Parque Mambucaba
example Banner

Notícias

voltar a notícias

Depois da tempestade...

15 de Agosto de 2012/HPB

Os diretores da FEAM acabam de ser reconduzidos pela Eletronuclear para mais um mandato. Dra. Teresa Leite, Dr. Jorge Hadlich e Dr. José Carlos Moreira Jannuzzi, portanto, continuam em seus respectivos cargos de Diretora-superintendente, Diretor Administrativo-financeiro e Diretor-técnico da Fundação até 2014. Reunidos para fazer uma análise do último ano de mandato, eles foram unânimes em afirmar o momento tumultuado vivido no primeiro semestre de 2011, em que a inevitável mudança na diretoria causou certa instabilidade. Somou-se a isso o contingenciamento de 60% do orçamento da Fundação, o que deixou a situação ainda mais preocupante. No entanto, o momento difícil começou a ser superado com a determinação da direção de focar objetivamente em ações que pudessem reverter o quadro instável e retomar o prumo. A negociação com o Ministério Público que culminou com a assinatura do TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), que definiu a realização de concurso público para o preenchimento das vagas da fundação, foi uma das primeiras ações positivas rumo à estabilidade. “Depois disso, tudo deslanchou”, afirmou Dr. Jorge Hadlich, lembrando que em seguida houve a aprovação da construção do CTI, o aumento do salário dos médicos, que foi equiparado aos da região, a aprovação do novo organograma e da gratificação funcional. “Percebemos que só conseguiríamos reverter à situação se arregaçássemos as mangas e trabalhássemos pesado, e foi exatamente isso o que fizemos. No segundo semestre, a partir de decisões estratégicas, as coisas começaram a se aprumar”, destacou Dra. Teresa.

Aprovação do CTI era um sonho de toda a equipe

Entre as decisões fundamentais para o retorno a uma situação de controle dos rumos da fundação está, sem dúvida, a aprovação da construção do Centro de Terapia Intensiva, que tem como data provável para entrar em funcionamento o próximo mês de setembro. “O CTI era um sonho da equipe, por conta de o Hospital de Praia Brava ser uma referência no atendimento a politraumatizados decorrentes de acidentes na rodovia Rio-Santos. Outro fator é o envelhecimento da população, que faz com que o número de pacientes graves, com problemas cardiovasculares, que chegam ao HPB seja cada vez maior”, lembrou Dr. Jannuzzi. Os diretores lembraram que a Unidade Intermediária (UI) do hospital já vem absorvendo essa demanda, mas que com o CTI em funcionamento o atendimento será muito mais qualificado, e a remuneração pública dos atendimentos que acontecerão lá se dará efetivamente. “O que não acontece com a UI”, destacaram.

Um 2012 bem melhor do que 2011

Este ano começou e vem transcorrendo de forma muito mais tranquila do que o ano passado, segundo os diretores. As principais discussões deste período estão se dando em torno da construção de um hospital totalmente novo. Os recursos para a elaboração do projeto arquitetônico da nova unidade já foram inclusive viabilizados. Segundo Dr. Jorge, o dinheiro está em vias de liberação. A construção de um novo hospital acontecerá pela necessidade de paralisar o atendimento no HPB assim que Angra 3 entrar em operação, uma vez que o hospital estará em sua área de exclusão. Estima-se que o novo hospital levará três anos para ser construído e que ele deverá entrar em operação na mesma data da terceira usina, o que demandará um aumento de mais 600 famílias diretamente ligadas à Eletronuclear. O novo hospital terá 80 leitos, 30 a mais do que disponibiliza hoje o HPB. Ele também terá ampliado a sua capacidade de exames de imagem e de atendimento ambulatorial, o que não pode ser feito hoje em dia por falta de espaço físico.

Os diretores concluíram dizendo que estar à frente da Fundação Eletronuclear de Assistência Médica, que coordena além do HPB, também o Ambulatório Médico de Itaorna (Amir), O Centro de Medicina das Radiações Ionizantes (Cmri), O Centro Médico do Parque Mambucaba (Cmpm), o Centro Médico de Mambucaba (CMM) e o Centro de Estudos em radioepidemiologia (Cira), é um desafio grande, mas profundamente gratificante. Nós nos desdobramos para melhor atender os funcionários da Eletronuclear e os nossos clientes SUS, particulares e conveniados, e a nossa avaliação é que temos conseguindo fazer isso de forma digna. “Cuidar da saúde de tanta gente da melhor forma possível é nossa grande recompensa”, concluíram.